Seja na magia do caos, na magia tradicional ou em qualquer área do conhecimento, fala-se muito da importância de aprofundar-se tanto na teoria quanto na prática. Conforme a época, o lugar e a área do saber, essas concepções mudam. Às vezes valoriza-se mais a teoria ou mais a prática, devido a motivos culturais, políticos, econômicos, dentre outros.

Na magia atual, vejo muitas críticas aos chamados “magistas de poltrona” (armchair magicians), que “só estudam e não praticam”. Eu conheço uma prática em que se fica sentado “sem fazer nada”, que segundo os relatos levaram muitos à iluminação: ela se chama meditação. Para magistas que apreciam ficar sentados em suas poltronas essa seria uma boa ideia. Mas brincadeiras à parte, será que teoria e prática são assim tão separadas? Algumas sistematizações são mais úteis que outras. Qual seria o caso aqui?

Na Idade Antiga, como na Grécia, trabalhos manuais costumavam ser pouco valorizados e os trabalhos intelectuais eram exaltados (como aqueles dos filósofos). Tanto que a palavra “escola” vem do grego “scholé”, que significa “lugar do ócio”, significado que se busca resgatar, no sentido de “ócio criativo”, que leva ao surgimento de novas ideias, e consequentemente novos paradigmas. Na Idade Média, os médicos aprendiam a teoria e quem realizava as cirurgias eram os barbeiros-cirurgiões, que recebiam pouquíssimo treinamento teórico, sendo considerada uma profissão inferior. Hoje, o médico cirurgião com destreza manual é algo apreciado.

Na época em que vivemos, um diploma universitário costuma ter mais status do que fazer um curso técnico, sugerindo a maior valorização da teoria em relação à prática. Por outro lado, ter feito cursos técnicos de certas áreas às vezes proporciona um salário mais alto (seja a curto ou longo prazo) do que ter feito certos cursos universitários. E também há aqueles cursos universitários valorizados no mercado de trabalho por harmonizarem teoria e prática no currículo. Existem bolsas tanto para pesquisas quanto para estágios em universidades, mas é comum que a verba para muitas pesquisas importantes seja negligenciada, valorizando-se mais aquilo que tenha aplicação prática direta.

Disso tudo concluímos que não existe nenhuma verdade universal que defina a supremacia da teoria em relação à prática ou vice-versa. As duas são importantes e uma pode prevalecer sobre outra dependendo da área, do momento e de muitos outros fatores.

O que é o ser humano e o que ele busca? Ele é corpo, mas também é mente. Também é alma, é espírito, acrescentariam alguns. Nós não passamos nossa existência apenas no mundo da prática, ou no mundo material. Passamos boa parte dela dormindo, sonhando, imaginando, pensando, planejando. Pensar é teoria, certo? Mas imaginar é teoria ou prática? Se eu faço uma visualização eu estou realizando um exercício teórico ou prático? Uma visualização no interior de uma meditação que tenha como objetivo lançar um sigilo (gnose inibitória) já é definida como prática, certo? Em que ponto será que a fronteira entre teoria e prática se quebra? E será que ela é quebrada realmente em algum momento ou é só nossa mente sistemática que separa o instante em que o estudo teórico acabou e a prática começou?

Quando iniciamos um ritual de magia cerimonial, nós costumamos colocar nossa mente em modo de prática. Vestimos um robe, agitamos uma espada e anunciamos para o universo, seja em voz alta ou em silêncio, que a magia começou. Talvez você até toque um sininho ou uma trombeta para se certificar de que os espíritos entenderam.

No momento da leitura, entramos em modo de “teoria” e intencionalmente acionamos uma área do cérebro diferente. Mas será que não é possível praticar enquanto se estuda e vice-versa? Uma prática pode gerar um grande aprendizado teórico e uma leitura pode ativar fortemente as emoções e gerar um resultado. Num retiro que fiz no início desse ano, a monja me deu a seguinte sugestão: usar um livro que eu estava lendo para meditar. Fomos juntas para a capela e conforme eu lia o livro em voz baixa, entoava em voz alta certos trechos que ressoaram fortemente em mim. Ela prosseguia entoando de volta outras frases que completavam as minhas. Isso gerou um tipo de ritual sagrado (eram ao mesmo tempo entoações dirigidas para Deus alternadas por uma sessão de leitura silenciosa), que fez surgir em mim muitas emoções e foi bastante poderoso. Pude aplicar a energia residual daquele momento em outras práticas que realizei logo a seguir.

Eu honestamente acho que essa briga de qual é mais importante, teoria ou prática, é desnecessária. Ambas são importantes e possuem seu lugar e seu momento na nossa vivência espiritual. Alguns se focam mais na teoria, outros mais na prática (assim como é o caso de nossas profissões), por variados motivos: por exemplo, porque se sentem inspirados em ir mais a fundo em uma delas naquele momento e simplesmente seguem essa intuição. E em outras épocas da vida isso pode mudar, de forma completamente natural.

Acredito que exista um sentido na divisão entre teoria e prática. Não sou contra sistematizações e não critico a forma com que a linguagem atrapalha na comunicação, já que sou da posição de que os benefícios superam os malefícios nesse caso. É aceitável que um magista que julgue estar lendo demais tente separar um tempo para a prática, ou que alguém que passe o dia lançando sigilos e erre muitos deles julgue que um maior aprofundamento na teoria possa levá-lo a uma solução original para melhorar a eficácia de sua magia. Entretanto, o ritmo e o estilo de cada um  deve ser respeitado.

Não é só porque eu (ou outra pessoa) leio muito, ou pratico muito, e isso funcione muito bem para mim que irá funcionar para todo mundo. É preciso reconhecer a importância de se chegar a uma harmonia entre ambos, mas que é uma harmonia para mim e para você? A magia do caos dá muita importância à magia prática (e rápida), mas também existem centenas de livros de caoísmo. Julian Vayne propôs o movimento do “slow chaos” como uma alternativa à magia rápida (como sigilos) dos caoístas. De forma análoga, pode existir um sistema na magia (e eles de fato existem) com foco intensamente teórico. Cada paradigma tem suas vantagens e desvantagens. É melhor ou pior ter mais teoria ou mais prática? Depende de seus objetivos.

Na magia do caos não devemos nos prender a regras e fórmulas prontas. Se você está cansado de escutar: “Pare de estudar e pratique”, mas você está muito feliz atualmente na sua vida espiritual, pessoal e profissional, além de as poucas magias que você faz funcionarem muito bem, qual é o problema? E o contrário também é verdadeiro: vamos supor que você faça muitos rituais, use vários servidores e faça magias de muitos tipos, mas raramente leia, pouco sabe de teoria da magia. E é criticado por ser ignorante, por não saber o que está fazendo, por seguir superstições sem base teórica. Da mesma forma que pessoas simples, que não sabem ler ou escrever, mas mantém uma prática fenomenal em suas religiões, indo na igreja todo dia, rezando o terço diariamente, etc, são criticadas por não conhecerem alta teologia. Se você está feliz, se as coisas estão dando certo, há algo errado? Ou será que há algo errado na pessoa que te criticou, que não aceita a diversidade da magia e a existência de diferentes caminhos para objetivos semelhantes?

Conselhos possuem seu valor. Pondere o conselho de seu amigo sobre estudar mais ou praticar mais. Porém, no final, a decisão cabe a você, que é aquele que mais sabe do que você precisa nesse momento para ir adiante. As pessoas não precisam necessariamente das mesmas coisas e não existe uma fórmula mágica para todo mundo. Sim, tente equilibrar entre teoria e prática. Mas a medida desse equilíbrio é você quem decide, e sempre lembrando que as duas não são antagônicas e nem são assim tão separadas.

0 comentários:

Postar um comentário

Gostou ou não gostou desse artigo? Seu comentário é importante. Por favor faça um comentário.

Livrarias

 
Top