A proclamação “Faça o que tu queres há de ser tudo da Lei” do Liber Al vel Legis (I : 40) tem implicações especialmente profundas na esfera da moralidade. Há um material extenso sobre esse tópico ao longo dos trabalhos de Crowley.

Desde “Não há Lei senão Faça o que tu queres” (Liber AL vel Legis III:60), a única ação “correta” é aquela que cumpre a Vontade e a única ação “errada” é aquela que contraria a Vontade. Como é afirmado no Liber AL vel Legis (I:41) “A Palavra de Pecado é Restrição”. Crowley explica que “[essa] é a declaração geral ou definição de Pecado ou Erro. Qualquer coisa que prenda a Vontade, a atrapalha ou a desviar, é Pecado” (The Law is for All). Essencialmente, qualquer forma de moralidade que funciona com absolutos, que afirma que qualquer qualidade é a priori “certa” ou “errada” (ou “mal”) é anátema da Thelema. “Para nós, então, ‘mal’ é um termo relativo: ele é ‘aquele que dificulta o cumprimento da Verdadeira Vontade (The Law is for All).

As atitudes para consigo e para com os outros são desenvolvimentos necessários de “Faça o que tu queres”. Considerando que “tu não tens direito a não ser fazer a tua vontade” (Liber Al vel Legis I:42), o valor da autodisciplina ajuda a fazer a Vontade unilateralmente.Como Crowley explica “[o] que é verdadeiro para cada Escola é igualmente verdadeiro para cada indivíduo. Sucesso na vida, com base da Lei de Thelema, implica severa autodisciplina” (Magick without Tears, cap. 8). Ademais, sendo que “[t]odo homem e toda mulher é uma estrela” (Liber AL vel Legis I:3) e cada estrela tem seu próprio caminho, cada “estrela” deve seguir sua própria Vontade e evitar a interferência nos assuntos alheios. Resumindo, cuide da sua vida. “É necessário que paremos, de uma vez por todas, essa intromissão ignorante na vida das outras pessoas. Cada indivíduo deve ser deixado livre para seguir seu próprio caminho” (The Law is for All). Isso significa, consequentemente, que há uma liberdade moral total, incluindo liberdade sexual. “Também, tomai vossa fartura e vontade de amor como quiserdes, quando, onde e com quem quiserdes!” (Liber Al vel Legis I:51). Isso não é “individualismo desmedido” – ou seja, isso não significa que não há possibilidade de governo. O entendimento da Thelema é que cada estrela tem sua função própria e particular no grande esquema das coisas e deve desempenhar essa função unilateral, e isso pode incluir a função de alguém em assuntos de Estado”. “Todo Indivíduo no Estado deve ser perfeito em sua própria Função, com Contentamento, respeitando sua própria Tarefa como necessária e sagrada, não invejoso do outro. Pois só assim poderás construir um estado livre, cuja Vontade direcionada será dirigida unicamente para o Bem-Estar de todos” (Liber Aleph).

Além de mover o locus da moralidade para o indivíduo, tornando a Vontade a medida do que é “certo” e “errado”, a Thelema [também] enfatiza alguns traços morais acima de outros e compreende algumas experiências como “boas”.

Uma linha de ação que a Thelema encoraja é a busca do Conhecimento e Conversação do Santo Anjo Guardião, União com Deus, a dissolução do ego ou qualquer outra metáfora usada no misticismo. Crowley explica: “[u]m homem deve pensar que [ele próprio] é LOGOS, que é movimento, não uma ideia fixa. ‘Faça o que tu queres’ é, então, necessariamente, sua fórmula. Ele apenas se transforma em Si quando realiza a perda do egoísmo, [quando ele se apercebe] do senso de separação. Ele se torna Todo, Pã , quando ele se transforma em Nada” [veja Ontologia na primeira parte] (“Antecedentes de Thelema”). Crowley afirma claramente quando escreve: “Há muitas injunções éticas de um caráter revolucionário no Livro, mas são todos casos particulares do preceito geral para realizar a própria e absoluta Cabeça-Deus e agir com a nobreza que brota desse conhecimento” (Confissões, cap. 49). Entende-se que estas realizações estão disponíveis para qualquer pessoa e [e têm intuito de] ajudar a compreensão mais completa do mundo, de si mesmo e de sua vontade.
Um tema moral comum em Thelema é força sobre fraqueza. “Beleza e força, gargalhada vibrante e leveza deliciosa, força e fogo, são de nós” (Liber AL vel Legis II:20). “Meus discípulos são orgulhosos e belos; eles são fortes e velozes; eles controlam seu [próprio] caminho como poderosos conquistadores. O fraco, o tímido, o imperfeito, o covarde, o pobre, o lamurioso – estes são meus inimigos, e eu vim para destruí-los” (“Liber Tzaddi”, linhas 24-25).

Consequentemente, Thelema tem uma visão diferente da “compaixão”: “[i]sto também é compaixão: um fim para a doença da terra. A extirpação das ervas daninhas: a irrigação das flores.”(“Liber Tzaddi”, linha 26). “Nós não temos nada a ver com o proscrito e o incapaz: deixe que eles morram na sua miséria. Pois eles não sentem. Compaixão é o vício dos reis: dominai o miserável e o fraco: esta é a lei do forte: esta é a nossa lei e a alegria do mundo” (Liber AL vel Legis II:21). Isto é, “compaixão” não é entendida como o apoio aos fracos, mas sim o oposto: a “erradicação das ervas daninhas” ou a destruição do que está fraco e o “irrigar as flores” ou a promoção do que está forte. Isso é compaixão porque é “um fim para a doença da terra”.
[Nt: tradutor: se você entendeu como algo higienista de exclusão do outro, repense o assunto, se trata de promover o que é forte no outro]

Uma visão diferente da piedade também é realizada à luz da Thelema com “[t]odo homem e toda mulher é uma estrela” (Liber AL vel Legis I:3). Crowley escreve: “Piedade implica dois erros muito graves – erros que são totalmente incompatíveis com as visões do universo como indicadas brevemente acima. O primeiro erro é uma suposição implícita de que algo está errado com o Universo(…). O segundo erro é ainda maior, uma vez que envolve o complexo do Ego. Ter pena de outra pessoa implica que você é superior a ela, e você não reconhece seu direito absoluto de existir como ela é. Você se afirma superior a ela, um conceito totalmente oposto à ética de Thelema – “Todo homem e toda mulher é uma estrela” e cada ser é uma Alma Soberana. Um momento de reflexão, portanto, será suficiente para mostrar o quão completamente absurda é tal atitude, referindo-se aos fatos metafísicos subjacentes (“O Método de Thelema”). Também: “O Livro da Lei considera a piedade desprezível (…) ter pena de outro homem é insultá-lo. Ele também é uma estrela, ’único individual e eterno’. O Livro não condena a luta – ’Se ele for um Rei, você não poderá machucá-lo’” (Confissões, cap. 49).

Isso leva a uma outra perspectiva que é que Thelema abraça o conflito. “Desprezai também todos os covardes; soldados profissionais que não ousam lutar, mas brincam; a todos os tolos desprezai! Mas o forte e o orgulhoso, o real e o majestoso; vós sois irmãos! Como irmãos, lutai!” (Liber AL vel Legis III:57-59). “Vede, enquanto no Livro da Lei há muito sobre o Amor, nele nada há sobre Sentimentalismo. O próprio Ódio é quase como o Amor! Lutai como irmãos!’ Todas as raças másculas do mundo compreendem isto. O Amor de Liber Legis é sempre ousado, viril, até mesmo orgiástico. Existe delicadeza, mas é a delicadeza da força”(Liber II: Mensagem do Mestre Therion”).

A Thelema também comanda que o indivíduo se regozije devido à vida. Um tema geral de abraçar e ver a felicidade em todas as facetas da vida permeia a Thelema. “Lembrai-vos que existência é pura alegria; que toda tristeza é nada mais que sombras; elas passam e se acabam; mas há uma que permanece (…). Eles regozijar-se-ão, nosso escolhidos: quem se entristece não é de nós (…) Mas vós, meu povo, levantai e acordai! Que os rituais sejam corretamente performados com alegria e beleza! (…) um festejo à vida e um festejo maior ainda à morte! Um festejo todo dia em seus corações em alegria ao meu arrebatamento! Um festejo toda noite à Nu, e um prazer do máximo deleite! Sim! Festejai! Regojizai! Não há medo depois disso (…) Escrevai e encontrai êxtase na escrita! Trabalhai e sejai cama enquanto trabalha! Arrepiai-se com a alegria da vida e da morte!” (Liber AL vel Legis II:9, 19, 34-35, 41-44, 66); “Há alegria na arrumação; há alegria na jornada; há alegria no objetivo” (“Liber Tzaddi,” linha 22). Esta visão do mundo surge das ideias metafísicas [ver a sessão “Cosmologia” deste trabalho] que a Thelema traz. Em suma, “[Nuit] é o infinito no qual tudo vivemos, movimentamos e temos nosso ser. [Hadit] é energia eterna, o Movimento Eterno das Coisas, o âmago central do ser. O Universo manifesto vem do casamento de Nuit e Hadit; sem isso, nada poderia ser. Este casamento-festejo eterno, perpétuo, é, então, a natureza das próprias coisas; e então, tudo que é, é uma cristalização do êxtase divino” (“The Law of Liberty”).

Ao final, devemos nos lembrar [que] “Não há outra lei além de Faça o que tu queres” (Liber AL vel Legis III:60). Todas estas ideias são subservientes à lei central de “Faça o que tu queres”. Essa é a beleza da palavra Thelema; que ela implica uma resposta tão simples e sublime aos problemas da moralidade ao mesmo tempo que apresenta implicações complexas e intrincadas.

0 comentários:

Postar um comentário

Gostou ou não gostou desse artigo? Seu comentário é importante. Por favor faça um comentário.

Livrarias

 
Top